13 de outubro de 2012

A Restauração da Igreja Cristã Ortodoxa

Império x República

Há mais de cem anos que o Brasil deixou de ser governado pelo sistema imperialista, onde uma sucessão de reis comandavam o país, sob a suposta proteção da igreja Católica. O Brasil ficou sob esse domínio por mais de quatrocentos anos, assim como Israel foi escravizado no Egito por Faraó, vindo então o profeta Moisés com sua Mensagem para tirar os filhos de Deus que estavam cativo naquele lugar. Em nosso país, no Brasil, os cristãos sofreram perseguições e afrontas por período igual ao que Israel sofreu no Egito, até que os crentes começaram a se libertar da influência papal, revelando um novo modelo de se aproximar de Deus sem outros mediadores, fruto da Reforma Protestante que se iniciou com Martinho Lutero.
 
O período no deserto para Israel foi duro e quase todos que saíram do Egito, morreram no deserto, entrando somente Josué e Calebe. Em nossos dias, pode-se ver inúmeros crentes caindo da mesma forma, pois apesar de terem saído do Egito espiritual, não estão sobrevivendo as provas que o deserto impõe. A libertação deveria trazer uma mudança de compostura e um aprimoramento da fé, onde verdadeiros adoradores serviriam a Deus com fidelidade e devoção. Infelizmente, as igrejas evangélicas tradicionais e as pentecostais, optaram em permanecer com a mesma visão imperialista do catolicismo, tirando apenas as imagens de escultura, mas praticando as mesmas coisas que antes eram consideradas abomináveis.
 
Em nossos dias, faz-se imperativo que se faça uma nova reforma, mas dessa vez, não envolvendo toda a sociedade, mas os crentes honestos e devocionais, que amam a verdade e não alimentariam de nenhuma forma a mentira introduzida nas igrejas cristãs. Precisamos sair da forma de governo corrupta, que elege reis para exercer o papado com seu nepotismo e se voltar para o modelo republicano, onde os crentes produzem os verdadeiros frutos da liberdade. Precisamos estabelecer o modelo democrático que torna mais justo a continuidade do ministério apostólico e profético.
 
Estamos propondo o fim do despotismo imperialista que domina sobre o cristianismo, apresentando de forma clara e lúcida o verdadeiro modelo de administração e compostura. Para a igreja é inadimissível que se tenha reis que governem sobre pessoas, pois somente Jesus é o Rei verdadeiro. Infelizmente, muitos pastores e bispos se colocam como reis para governarem sobre lacaios ignóbeis que nada fazem para serem livres. Igreja não é cabide de emprego nem lugar de enriquecimento financeiro. Não se paga salários e nem promove a compra e venda de artigos religiosos, por ser uma instituição sem fins lucrativos que deve propagar o Evangelho de Jesus Cristo com austeridade e confiabilidade. A ajuda de custos relativa às porções dos que ministram efetivamente e dos necessitados é limitada às doações voluntarias feitas por membros efetivos.

Todos falam do amor de Deus, mas o que fazem com o dinheiro da igreja? A maior mentira que usam para enganar os leigos é  venda de devoção com aparência de liturgia e fazer do Templo um posto de arrecadação de valores sob pretexto de bençãos materiais. Na verdade, essa prática imperialista dos senhores feudais vêm exercendo de forma criminosa saques e desvios dos donativos enriquecendo pastores e bispos e fomentando a corrupção no meio cristão. O peculato religioso se tornou uma prática tão comum que os crentes já recebem como normal, pois se veem de forma fatalista e imobilista fora do poder de domínio da igreja. Para combater esse mal que suga as riquezas da igreja, propomos aos crentes uma reforma interior. Quantos crentes são coniventes com a simonia?

Não podemos mudar um país corrompido pelo pecado, mas os crentes tem a obrigação de consertar a igreja cristã, combatendo o nepotismo e o imperialismo que domina o sistema religioso. Nossa proposta visa alertar os cristãos sobre as práticas malignas inseridas na igreja cristã e resgatar os valores antigos da moral e ética, da compostura e austeridade. Conheça nossos princípios de governabilidade:
 
A princípio, todo cristão deve saber e compreender que só Jesus Cristo é profeta, apóstolo, pastor, evangelista, mestre e outros dons dado a igreja para edificação. Nenhum homem tem autoridade para se intitular pastor ou profeta, pois só Jesus é o verdadeiro e único ser que pode ocupar essas funções ou manifestar os dons, sendo os demais apenas imitadores de Cristo. Um homem pode ocupar uma posição de governo apenas para representar Jesus, mas nunca se colocar com tal. Inclusive nenhum homem pode dizer que "está fazendo a obra de Deus" pois isso é heresia. É Deus que faz a Sua obra através dos seus escolhidos para tal.
 
Para esclarecer melhor nossos fundamentos, estabelecemos normas que serão regidas efetivamente na igreja, com total isonomia e austeridade, confiando o governo da igreja somente as regras pré-estabelecidas. Todos os cargos efetivos são voluntários e sem vínculo trabalhista, sendo reconhecido apenas os títulos de Jesus sobre homens ungidos para tal.
 
Cada igreja só pode ter um único pastor, que ocupará seu cargo voluntariamente, com a idade entre 30 anos até aos 50 anos para eleição, que ocupará o cargo ou função, como estabelecer o dogma da igreja, e quando passar seu tempo deixará esse cargo para se tornar um ancião da igreja e caso queria, ser um apóstolo ou missionário. O pastor deverá ser apresentado anualmente para a igreja, deixando seu cargo a disposição da igreja para votar se continua ou não através do processo eletivo da igreja. É o presidente da igreja
 
Os apóstolos ou missionários, são os membros fundadores ou que já cumpriram seu tempo de ministério devido a idade ou por renúncia, encarregados de estabelecerem a doutrina e campos a serem ministrados, sendo a autoridade episcopal para julgar os casos de maiores importância. Representa a cúpula ministerial ou supremo poder da igreja, sendo incubidos de administrar todas as juridições conforme for da sua competência.
 
Não existe profetas como profissão ou cargos, pois esse dom é restrito ao poder de Deus, que usa quem quer no tempo que quiser, portanto, não poderá ser efetivado como cargo, mas como ungido com dons específicos que cuidará de observar a integridade da pregação e compostura dos membros. O profeta realizará o trabalho que for destinado por Deus, tendo tão somente reconhecido o dom se for comprovado biblicamente ser escrituristico e auxiliará os apóstolos e pastores na pregação.
 
Os mestres são teólogos que auxiliaram no conhecimento cientifico e aprimoraram as necessidades da igreja, dentro das convicções de fé e ordem, sendo encarregado de pesquisas e produção de materiais de uso da igreja para seus fins específicos, como livros, programas de audio e vídeo e outras coisas pertinentes a ciência.
 
Evangelistas são pessoas autorizadas a falarem em nome da igreja para preparar o campo de pregação dos apóstolos e profetas, reconhecidos pela igreja através de identificação para tal ocupação.
 
Diáconos e obreiros são os policiais da igreja, encarregados de exercer a segurança e a ordem, além de exercer o trabalho contínuo de visitas aos necessitados que assim o requeiram, para ajuda e outras coisas pertinentes ao cargo.
 
Bispo é tão somente um título dado ao que preside uma jurisdição determinada pela igreja, sendo responsável pelo bom andamento do campo. Cabe ao apóstolo exercer essa função.
 
Secretário e tesoureiro poderá ser qualquer um membro legalmente habilitado, preferencialmente os que ocupam as funções efetivas da igreja, mas que não receberão remuneração pela função exercida.
 
OS DÍZIMOS E OFERTAS ARRECADADOS FARÃO PARTE DE UM MONTANTE QUE SERÃO DISTRIBUIDOS CONFORME CADA SEGMENTO QUE COMPÕE A ESFERA GOVERNAMENTAL E AS DESPESAS DO TEMPLO E AJUDA SOCIAL.
 
Ao pastor, caberá a décima parte do montante restando noventa por cento para serem distribuidos conforme cada segmento:
- A terça parte para as despesas e manutenção do templo ou congregação e evangelização.
- A terça parte para serem distribuidas em porções para os que ministram o templo como apóstolos e diáconos efetivos.
- A última terça parte para assistência social, ou seja, ajuda para os necessitados, primeiramente os da igreja e os que trabalham na igreja, como evangelistas e cantores, depois os estrangeiros.
 
As eleições serão anuais em assembleia ordinária e serão por voto por escrito, sendo os votantes habilitados por batismo, tendo a escolha opcional de SIM ou NÃO.
Cabe aos apóstolos ou profetas apresentarem as propostas à igreja ou receber da igreja as propostas para serem julgadas antes de serem levadas para pleito. As escolhas para os cargos elegíveis serão feitas em primeiro lugar pelos apóstolos, que deverão apresentar para a igreja se concordam com o SIM ou se discordam com o NÃO. Toda proposta deve passar pelo plenário da igreja.
 
Toda doutrina deve ser provada escrituristicamente, principalmente as que fazem parte da doutrina da igreja e seus fundamentos, não sendo aceitas revelações pessoais de conjecturas particulares ou experiências extrabíblicas. Os hinos serão sacros de caráter bíblico com harmonia, sendo vedado músicas profanas ou irritantes, como as mundanas.
 
O batismo correto é em NOME DO SENHOR JESUS CRISTO para adultos (homens e mulheres) que creem em um único Deus Todo-poderoso, que já alcançaram a maioridade, dando-lhes poderes para votarem e serem votados, participarem da santa ceia e das liturgias da igreja como efetivos. Aos considerados menores de idade, será permitida somente a participação voluntária em louvores e testemunhos. Sendo batizado, se compromete a ajudar a sustentar a igreja se possível com seu dízimo tirado dos rendimentos líquido e ofertas quando possível, sendo vedado o reembolso, por passar a integrar o patrimônio da igreja e não será devolvido sob qualquer pretexto, exceto se a causa for contrária aos propósito da moral e caráter da igreja.

Nenhum comentário: