24 de dezembro de 2013

Data do Nascimento de Jesus Cristo

Quando realmente Jesus Cristo Nasceu?




Vejamos o que disse Lucas:
"Tendo, pois, muitos empreendido pôr em ordem a narração dos fatos que entre nós se cumpriram,
Segundo nos transmitiram os mesmos que os presenciaram desde oprincípio, e foram ministros da palavra, pareceu-me também a mim conveniente descrevê-los a ti, ó excelente Teófilo, por sua ordem, havendo-me já informado minuciosamente de tudo desde o princípio; para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado."  Lucas 1:1-4
Em outras palavras, Lucas entrevistou as testemunhas e aqueles que tinham conhecimento dos acontecimentos à volta da vida de Cristo, e essa informação foi a base do seu Evangelho. Depois desta importante introdução, Lucas começa a contar a história verdadeira dos acontecimentos que precederam o nascimento de Jesus, com um relato de como Deus tratou Zacarias, o pai do João Batista: "Quando Herodes era o rei da terra de Israel, havia um sacerdote chamado Zacarias, que era do grupo [ou "do turno"] dos sacerdotes de Abias. A esposa dele se chamava Isabel e também era de uma família de sacerdotes" (versículo 5). Mais adiante na história se lê que ela era uma prima de Maria (versículo 36).
"Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias, e cuja mulher era das filhas de Arão; e o seu nome era Isabel. E eram ambos justos perante Deus, andando sem repreensão em todos os mandamentos e preceitos do Senhor. E não tinham filhos, porque Isabel era estéril, e ambos eram avançados em idade." Lucas 1:5-7
A responsabilidade de Zacarias como sacerdote no seu turno ajuda-nos a conhecer e compreender o período do nascimento de Cristo. O seu turno era o da turma "dos sacerdotes de Abias". O que é que isto significa?
Cerca de mil anos antes, o rei Davi tinha organizado os sacerdotes levíticos em 24 "grupos" ou "turnos," pois havia uma abundância de ministros para servir nas várias funções do templo. Não querendo que alguém não tivesse uma oportunidade de servir, a solução de Davi foi uma, de dividir os ministros em 24 grupos, como é explicado em 1 Crônicas 24 e mais especificamente nos versículos 3, 10 e 19. "A sétima a Hacoz, a oitava a Abias" (1 Crônicas 24:10). Cada grupo ministerial assim servia por um período de uma quinzena por ano, assim como durante as três estações festivas (Deuteronômio 16:16), quando todos os ministros serviam.

Sabendo então os períodos do ano em que o turno de Abias servia no templo juntamos a informação em 1 Crônicas 24 com as tradições Judaicas acerca dos turnos no templo.
Esta evidência demonstra que a semana em que Zacarias tinha o seu turno, tal como relatado por Lucas, era à volta da Festa de Pentecostes, que geralmente é celebrada entre os fins de Maio e o meio de Junho no nosso calendário. Embora os turnos caiam em datas específicas no calendário Sagrado de Deus (lunar), as datas dos Seus dias Santos e dos Seus Festivais variam por algumas semanas no calendário (gregoriano) Romano em uso hoje em dia.
Assim é possível concluir quando é que Zacarias estava para servir no templo: a Bíblia de Companheiro [The Companion Bible] (versão de 1974, Apendix 179, p. 200), calcula que Zacarias serviu na semana de 13 a 19 de Junho, inclusivo, nesse ano.
Uma aparição angelica inesperada
A história de Lucas continua: "E aconteceu que, exercendo ele o sacerdócio diante de Deus, na ordem da sua turma, segundo o costume sacerdotal, coube-lhe em sorte entrar no templo do Senhor para oferecer o incenso" (Lucas 1:8-9).
O que aconteceu depois, teria sido amedrontoso a qualquer um de nós: "Então, um anjo do Senhor lhe apareceu, posto em pé, à direita do altar do incenso. E Zacarias, vendoo, turbou-se, e caiu temor sobre ele. Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João" (versículos 11-13).
Então o anjo explicou a missão do futuro filho de Zacarias, João Batista: "será cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe…. e irá adiante dEle [de Jesus Cristo, o Messias vindouro] no espírito e virtude de Elias, … com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto [bem preparado]" (versículos 15-17).
Embora o Zacarias fosse um homem justo, nesta ocasião ele foi meramente humano e demonstrou falta de fé na mensagem do anjo Gabriel. Por causa desta incredulidade, ele ficou mudo até o seu filho João nascer (versículos 18-20).
O período de tempo entre a concepção da Isabel e da Maria
"E sucedeu que, terminados os dias de seu ministério, voltou para sua casa. E, depois daqueles dias, Isabel, sua mulher, concebeu e, por cinco meses, se ocultou" (Lucas 1:23-24). Visto que o turno de Zacarias foi durante o meio de Junho, e presumindo que ela ficou grávida uma ou duas semanas após isso, cinco meses mais tarde traze-nos aos fins de Novembro.
O relato, então, continua com o nascimento de Jesus Cristo: "E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres" (versículos 26-28).
Este relato revela que Maria era uma jovem mulher de muita fé. Gabriel, então, disse a ela, "E eis que em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; ... e reinará eternamente na casa de Jacó [Israel], e o seu Reino não terá fim" (versículos 31-33).
E Maria, visto que era uma virgem, perguntou o que é óbvio. "E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; pelo que também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus" (versículo 35).

Gabriel acentuou o poder de Deus capaz de fazer milagres: "E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril. Porque para Deus nada é impossível" (versículos 36-37).
Maria, Isabel e o nascimento de Jesus
Estamos agora no sexto mês da gravidez da Isabel, isto é, possivelmente lá para os fins de Dezembro ou pouco depois. "E, naqueles dias, levantando-se Maria, foi apressada às montanhas, a uma cidade de Judá, e entrou em casa de Zacarias, e saudou a Isabel. E aconteceu que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre" (versículos 39-41).
Como se viu do trecho anterior, Maria agora estava grávida, e Isabel lhe fala como que se soubesse que ela estava grávida: "E de onde me provém isso a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor? Pois eis que, ao chegar aos meus ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre" (versículos 43-44).
O versículo 56 diz, "E Maria ficou com ela quase três meses e depois voltou para sua casa". Isto pôe-nos lá para os fins de Março. Maria ficou na companhia de Isabel até ao nascimento do João Batista. "E completou-se para Isabel o tempo de dar à luz, e teve um filho" (versículo 57).
Vê-se então que Maria estava provavelmente grávida de três meses quando o João nasceu. João nasceu provavelmente nos fins de Março ou início de Abril.
Então quando foi que Jesus Cristo nasceu? Por volta de seis meses depois, o que equivaleria aos fins de Setembro ou no início de Outubro — no outono, e não no meio do inverno, como muitos presumem hoje em dia.
A evidência do censo Romano
Podemos achar outra evidência bíblica que Jesus nasceu no outono e não no inverno? Sim, podemos.
Continuando com o relato de Lucas: "E aconteceu, naqueles dias, que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse" (Lucas 2:1). "Todo o mundo" neste contexto, representa todas as áreas debaixo do governo Romano. "(Este primeiro alistamento foi feito sendo Cirênio governador da Síria.) E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade" (versículos 2-3).
Que gênero de povo eram os romanos quando se fala de fazerem as coisas em ordem e eficientemente? Eles construíram pontes, estradas e prédios, que em alguns casos ainda estão a ser usados até hoje, 2.000 anos depois. As estradas deles eram grandes maravilhas de engenharia desse tempo. Eles construíram grandes aqueodutos e esgotos. Até hoje, os planos de urbanização usam princípios que originaram dos romanos. Até hoje uma grande parte da organização governamental e militar é inspirada no modelo romano. Eles eram mestres em organização e estrutura.
Então, teriam os Romanos ordenado fazer um censo durante o meio do inverno? Está claro que não! Isso seria contraditório ao propósito do censo. No inverno, as temperaturas à volta de Jerusalém podem cair abaixo de 0o C, e as estradas estariam molhadas e enlameadas com as chuvas frias e a possibilidade de neve. Seria uma temperatura terrível para se viajar, especialmente para uma mulher perto de dar à luz a um bêbê.
Um escritor diz que este censo "não poderia ter sido durante esta estação [de inverno], pois tal altura não teria sido escolhida pelas autoridades romanas para umalistamento publico, que necessitaria que a população viajasse de todas as partes para os seus distritos natais, porque temporais e chuva fariam as viagens perigosas e desagradáveis, exceto em anos em que o tempo estivesse especialmente favorável.
Nevadas não são raras em Jerusalém nos meses do inverno, e eu sei que ás vezes a neve é tanta que pessoas perderam-se fora dos portões da cidade" (Cunningham Geike, "Christmas at Bethlehem" [Natal em Belém], Edward Deems, editor, Holy-Days and Holidays [Dias Santos e feriados], 1968, p. 405).
Nenhum oficial romano razoável teria planejado um censo durante o inverno. Para uma sociedade agrária, como a de Judeia no 1º século, o outono (no hemisfério do norte), quando as colheitas teriam sido armazenadas, seria uma época muito mais propícia para tal fim.
Por que não havia quartos em Belém?
Continuando com a nossa história relatada por Lucas, achamos outra evidência bíblica do período de tempo do nascimento de Jesus Cristo.
"E subiu da Galiléia também José, da cidade de Nazaré ... (porque era da casa e família de Davi), a fim de alistar-se com Maria, sua mulher, que estava grávida. E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz" (Lucas 2:4-6).
Não sabemos com que antecedência eles viajaram, nem quanto tempo estiveram eles lá para o censo. O ponto essencial é que o nascimento mais importante em toda a história foi debaixo destas condições.
"E deu à luz o seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem" (versículo 7).
Mas por que não havia espaço para José e para Maria em Belém? Somos muito instruídos se compreendemos a cultura dessa época. Se calcularmos o período do ano corretamente em que João Batista foi concebido, isto é, pouco depois do primeiro turno de Abias, que seria próximo à festa de Pentecostes, e o seu nascimento nove meses depois, então pelo tempo o nascimento de Jesus que foi seis meses depois, chegaremos ao fim de Setembro ou possivelmente ao início de Outubro.
Então, havia outro acontecimento, durante essa estação do ano, que faria com que as pensões e hotéis em Belém estivessem cheias? Sim havia! Ao fim de Setembro e no início de Outubro, há um período de Festas no calendário de Deus. Em Jerusalém, essas festas são durante o Outono (do hemisfério do Norte). Este é um dos três períodos de peregrinação anual, nos quais as famílias viajavam a Jerusalém a fim de observarem os Dias Santos de Deus (ver Deuteronômio 16:16). Os Judeus dos dias de hoje ainda observam este mandamento e é por isso que, mesmo hoje em dia, é difícil reservar um quarto de hotel em Jerusalém durante este período do ano!
A população de Jerusalém, durante este período, aumentava de tal maneira que não tinha capacidade suficiente de acomodar todos os visitantes. Isto também afetava as cidades próximas de Jerusalém tais como Belém, localizada a dez quilômetros ao sul de Jerusalém.
Por causa deste grande número de visitantes, todas as hospedarias locais estavam cheias, o que fez com que José e Maria buscassem para acomodação um local que normalmente seria usado para guardar animais. Não se tratava uma acomodação de primeira classe, mas certamente ficaram muito gratos por consegui-la.
Os pastores e os seus rebanhos
Continuando com o relato de Lucas, encontramos outra prova de que Jesus não nasceu no inverno. O versículo 8 lê: "Ora, havia, naquela mesma comarca, pastores que estavam no campo e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho".
Isto também demonstra que estes acontecimentos não se deram no inverno. O costume dos pastores era de manter os seus rebanhos no campo de Abril até Outubro, mas durante os meses frios e chuvosos do inverno, eles traziam-nos de volta para casa e protegiam-no, visto que o tempo não teria permitido" os pastores cuidarem dos seus rebanhos nos campos à noite.
Como estes pastores ainda não tinham trazido os seus rebanhos para casa, é um ponto forte de debate que ainda não era Outubro, e que consequentemente o nosso Senhor não nasceu em 25 de Dezembro, quando não haviam rebanhos no campos; nem podia ele ter nascido depois de Setembro, pois os rebanhos ainda estavam nos campos à noite. Nesta fundação, a natividade em Dezembro deve de ser abandonada. A pastagem dos rebanhos durante a noite nos campos é um fato cronológico [isto é, de períodos fixos de tempo] que dá muita luz a este ponto de disputa.
Uma vez mais, o relato de Lucas aponta para um nascimento no fim de Setembro para Outubro.
Os pastores vieram ver Jesus
Continuando com a história em Lucas 2:10-17: "E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo, pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.... E foram apressadamente e acharam Maria, e José, e o menino deitado na manjedoura. E, vendo-O, divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dita".
Devemos que tomar nota que foi só os pastores que chegaram a tempo de visitar Jesus na manjedoura. Os magos, como veremos, só vieram mais tarde.
"E, quando os oito dias foram cumpridos para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido. E, cumprindo-se os dias da purificação, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor (segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo macho primogênito sera consagrado ao Senhor) e para darem a oferta segundo o disposto na lei do Senhor: um par de rolas ou dois pombinhos" (Lucas 2:21-24; compare com Êxodo 13:2).
Isto era conhecido como o "resgate do primogênito" (Levítico 12:2-3, 6) diz-nos que esta cerimônia acontecia 40 dias após o nascimento dum filho. Ora, se Cristo nasceu ao fim de Setembro, então esta cerimônia aconteceria no meio de Novembro.
Os magos e Herodes
Agora continuaremos com a história em Mateus 2:1-3: "E, tendo nascido Jesus em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do Oriente a Jerusalém, e perguntaram: Onde está Aquele que é nascido rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos a adorá-lO. E o rei Herodes, ouvindo isso, perturbou-se, e toda a Jerusalém, com ele".
Por que Herodes se preocupou com esta notícia? Vários comentários históricos atestam que Herodes tinha uma grande preocupação de ser destronado. Por isso, a notícia de que um novo rei dos Judeus tinha nascido foi vista como um perigo para a sua posição.
Herodes tinha bom conhecimento das tradições e das profecias acerca dum Messias. "E, congregados todos os príncipes dos sacerdotes e os escribas do povo, perguntou-lhes onde havia de nascer o Cristo. E eles lhe disseram: Em Belém da Judéia" (versículos 4-5).

Porém, o rei Herodes ocultou suas intenções de matar o Messias. Vejamos: "Então, Herodes, chamando secretamente os magos, inquiriu exatamente deles acerca do tempo em que a estrela lhes aparecera. E, enviando-os a Belém, disse: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino, e, quando O achardes, participai-mo, para que também eu vá e O adore" (versículos 7-8).
Notem que Herodes não referiu a Jesus como um "bébé", mas como um menino. Ele tomou em consideração o tempo de viagem dos magos, pois vieram possivelmente de tão longe como da Pérsia [área do Irã] ou da região da Babilônia [área do Iraque], que foi para onde os Israelitas e Judeus tinham sido levados cativos muitos séculos antes.
Herodes sabia quando a estrela tinha aparecido, e por isso sabia que não estava à procura dum bebê recém-nascido, mas dum menino de possivelmente vários meses, ou de um ano de idade.
No entanto, para eliminar qualquer dúvida temporal, o rei ordenou que houvesse o genocídio de todos os meninos de Belém e proximidades, que possuíssem dois ou menos anos. Vejamos: "então, Herodes, vendo que tinha sido iludido pelos magos, irritou-se muito e mandou matar todos os meninos que havia em Belém e em todos os seus contornos, de dois anos para baixo, segundo o tempo que diligentemente inquirira dos magos" (versículo 16).
Não foi a cena tradicional de natal
Os magos foram "milagrosamente" guiados ao menino Jesus (versículos 9-10). "E, entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe" (versículo 11).
A costumeira cena do Natal está errada neste ponto, quando se trata do nascimento de Jesus com a imediata visita dos magos.  Jesus estava na manjedoura em uma casa de estábulo quando nasceu, mas quando os magos chegaram ele já era um bebê já crescido, um menino, pois os magos visitaram Jesus um bom tempo depois dos pastores (podia ter sido um ano mais tarde ou até mais). Maria e José ficaram escondidos até que Herodes morresse e cessasse a matança das criancinhas.

9 E, tendo eles ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela, que tinham visto no oriente, ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino.
10 E, vendo eles a estrela, regoziram-se muito com grande alegria.
11 E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra.
12 E, sendo por divina revelação avisados num sonho para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho.
13 E, tendo eles se retirado, eis que o anjo do Senhor apareceu a José num sonho, dizendo: Levanta-te, e toma o menino e sua mãe, e foge para o Egito, e demora-te lá até que eu te diga; porque Herodes há de procurar o menino para o matar.
14 E, levantando-se ele, tomou o menino e sua mãe, de noite, e foi para o Egito.
15 E esteve lá, até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Do Egito chamei o meu Filho.
Mateus 2.9-15

Ademais, a cena tradicional descreve três magos. A Bíblia, no entanto, não diz quantos magos eram, mas simplesmente fala de três tipos de presentes apresentados a Ele: ouro, incenso e mirra.
E por que Lhe foram dados esses três tipos de presentes? O simbolismo é fascinante quando entendido.
O Ouro era um presente para a realeza; nesse caso, para o Rei dos Judeus e quando da segunda vinda, O "Rei dos Reis e Senhor dos Senhores", que governará o mundo inteiro (Apocalipse 19:16).
O Incenso é diretamente ligado ao sacerdócio e aos sacrifícios do templo, prevendo o facto que Jesus Cristo serviria como Sumo-Sacerdote e daria a Sua vida como o sacrifício perfeito para pagar a pena de todos os pecados da humanidade (Hebreus 4:14-15; 9:11-14; 1 Pedro 1:18-19).
A Mirra tinha um simbolismo muito mais sombrio, a morte do Salvador para nos salvar. Quando uma pessoa morria, o corpo era coberto com esta fragrância natural para disfarçar o cheiro da morte. O corpo de Jesus foi envolvido em lençóis com mirra e aloés (João 19:39-40).


A DATA DO NASCIMENTO DE JESUS

A Data Tradicional

O mundo cristão geralmente celebra o nascimento de Jesus Cristo no dia 25 de Dezembro, porém é extremamente improvável que esta seja a data real de Seu nascimento.

Inicialmente, a Igreja Católica não comemorava o Natal. Foi em meados do século IV d.C. que se começou a festejar o nascimento do Menino Jesus, tendo o Papa Júlio I fixado a data no dia 25 de Dezembro, já que se desconhece a verdadeira data do Seu nascimento.

Uma das explicações para a escolha do dia 25 de Dezembro como sendo o dia de Natal prende-se como fato de esta data coincidir com a Saturnália dos romanos e com as festas germânicas e célticas do Solstício de Inverno, sendo todas estas festividades pagãs, a Igreja viu aqui uma oportunidade de cristianizar a data, colocando em segundo plano a sua conotação pagã. Algumas regiões optaram por festejar o acontecimento em 6 de Janeiro contudo, gradualmente, esta data foi sendo associada à chegada dos Reis Magos e não ao nascimento de Jesus Cristo.

Essa mudança promovida por Roma é cumprimento de Daniel, onde está escrito:

“E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei; e eles serão entregues nas suas mãos por um tempo, e tempos, e metade de um tempo.” Daniel 7:25 

Roma é o quarto reino, onde permaneceu um tempo como império, depois mudou para sete tempos como reino religioso e na grande tribulação permanecerá por mais uma metade de um tempo, quando matará os dois profetas de Apocalipse 11. 

Os meses do Calendário Judaico

Mês
Dias
Corresponde a ...
Comentários
Signos
Nisan
30
Março/Abril
14, 15 - Pessach (Páscoa) - Início do ano
Áries
(21/03 a 20/04)
Iyar
29
Abril/Maio
Touro
(21/04 a 20/05)
Sivan
30
Maio/Junho
6, 7 - Shavuot (Pentecostes)
Gêmeos
(21/05 a 20/06)
Tammuz
29
Junho/Julho
Câncer
(21/06 a 21/07)
Av
30
Julho/Agosto
Leão
(22/07 a 22/08)
Elul
29
Agosto/Setembro
Virgem
(23/08 a 22/09)
Tishri
30
Setembro/Outubro
1, 2 - Rosh Hashana (Ano Novo civil)
10 - Yom Kippur (Dia da Expiação)
Libra
(23/09 a 22/10)
Cheshvan
29/30
Outubro/Novembro
Escorpião
(23/10 a 21/11)
Kislev
30/29
Novembro/Dezembro
Sagitário
(22/11 a 21/12)
Tevet
29
Dezembro/Janeiro
Capricórnio
(22/12 a 20/01)
Shevat
30
Janeiro/Fevereiro
Aquário
(21/01 a 19/02)
Adar
29/30
Fevereiro/Março
Peixes
(20/02 a 20/03)
Adar II
29
Março/Abril
Só existe 7 vezes a cada 19 anos
Serpentário
(30/11 a 17/12)

Convém explicar que o zodíaco é um círculo ou faixa de 17 graus no céu, que abrange toda a esfera celeste e que tem no centro a linha da eclíptica. Foi desta forma, então, que o zodíaco acabou por ser premiado com 13 regiões ou constelações, que são: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Ofiúco (Serpentário), Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes. Convém salientar novamente que para ser considerada zodiacal a constelação deve ser atravessada pela linha da eclíptica, ou seja, o sol deve cruzá-la ao longo do ano. Acontece que depois de passar por Libra e Escorpião, o sol cruza Ofiúco de 30 de novembro a 17 de dezembro, antes de entrar em Sagitário. Porém, esta passagem do sol por Ofiúco não é considerada pela astrologia.
Do modo como foi organizado o céu pela UAI, todas as treze constelações ocupam espaços diferentes ao longo da linha da eclíptica, o que significa dizer que a divisão do zodíaco em doze signos de trinta graus cada um é puramente arbitrária e segue apenas a tradição dos povos antigos. Ofiúco é uma constelação um tanto extensa, sendo conhecida também por Serpentário. Na mitologia grega, este agrupamento de estrelas estava associado a Esculápio, deus da medicina. Segundo a lenda, Esculápio passou a dedicar-se à arte da cura após ver uma serpente ressuscitar outra com algumas ervas que trazia em sua boca.
Esta é, inclusive, a origem do símbolo das ciências médicas: duas serpentes enroladas num bastão.
 
 

1 Crônicas 24
5  E os repartiram por sortes, uns com os outros; porque houve maiorais do santuário e maiorais da Casa de Deus, assim dentre os filhos de Eleazar, como dentre os filhos de Itamar.
6  E os registrou Semaías, filho de Natanael, o escrivão dentre os levitas, perante o rei, e os príncipes, e Zadoque, o sacerdote, e Aimeleque, filho de Abiatar, e os chefes dos pais entre os sacerdotes e entre os levitas; uma dentre as casas dos pais se tomou para Eleazar, e se tomou outra para Itamar.
7  E saiu a primeira sorte a Jeoiaribe, a segunda, a Jedaías;
8  a terceira, a Harim; a quarta, a Seorim;
9  a quinta, a Malquias; a sexta, a Miamim;

10  a sétima, a Hacoz; a oitava, a Abias;

11  a nona, a Jesua; a décima, a Secanias;
12  a undécima, a Eliasibe; a duodécima, a Jaquim;
13  a décima terceira, a Hupá; a décima quarta, a Jesebeabe;
14  a décima quinta, a Bilga; a décima sexta, a Imer;
15  a décima sétima a Hezir; a décima oitava, a Hapises;
16  a décima nona, a Petaías; a vigésima, a Jeezquel;
17  a vigésima primeira, a Jaquim; a vigésima segunda, a Gamul;
18  a vigésima terceira, a Delaías; a vigésima quarta, a Maazias.

19  O ofício destes, no seu ministério, era entrar na Casa do SENHOR, segundo lhes fora ordenado por Arão, seu pai, como o SENHOR, Deus de Israel, lhe tinha ordenado.

Zacarias, pai de João batista tinha exercido seu oficio sacerdotal no templo pouco antes de sua esposa engravidar. Como era da turma da ordem de Abias, então dá para contar o tempo que começou a gestação de Isabel, sua esposa.

Existiu, no tempo de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da ordem de Abias, e cuja mulher era das filhas de Arão; e o seu nome era Isabel. Lucas 1:5

Considerando a ordem de Abias segundo as turmas dos sacerdotes. 1 Crônicas 24:10

A sétima a Hacoz, a oitava a Abias, I Crônicas 24:18

O ofício destes no seu ministério era entrar na casa do SENHOR, segundo lhes fora ordenado por Arão seu pai, como o SENHOR Deus de Israel lhe tinha mandado. Haviam 24 Turmas de Sacerdotes e a primeira turma iniciaria seus trabalhos no primeiro dia do primeiro mês da Pascoa, sendo este o primeiro mês Judaico (entre Marco a Abril)

“Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano.” Êxodo 12.2

Após cumprir o tempo da sua turma no sacerdócio, onde o anjo lhe anunciou que seria pai na velhice Zacarias voltou para sua casa. Zacarias teria servido entre Julho e Agosto, conforme Lucas 1.23-27

Isabel já estava com SEIS meses de gravidez quando Maria foi visitada pelo Anjo e também engravidou. Adicionando NOVE meses de gravidez que se dá em janeiro um mês, de fevereiro O SEGUNDO MÊS e março o terceiro mês, abril o quarto, maio o quinto, junho o sexto, julho o sétimo, agosto oito e setembro o nove do mês de gestação, ou seja entre outubro e novembro. O mês que realmente é aceitável é provavelmente outubro, pois novembro já estaria frio demais para os pastores apascentarem o rebanho no campo a noite e os estaleiros estariam ocupados por animais, conforme os textos.

De uma forma geral. Segundo estudiosos do judaísmo messiânico, a mais provável época do nascimento de Jesus teria sido na conhecida Festa dos Tabernáculos (Cabanas).

Misteriosamente esta festa é celebrada por 7 dias representando a perfeição. Note: Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aos quinze dias deste mês sétimo será a festa dos tabernáculos ao Senhor por sete dias. Levítico 23:34

Existem outras linhas de ensino que diziam que Jesus nasceu em Abril, na época da Páscoa, mas essa data não condiz com as citações bíblicas, pois na verdade, Jesus realmente morreu em Abril, como um cordeiro imolado, mas o mês do seu nascimento foi outro, o da festa dos Tabernáculos, onde Deus mesmo veio habitar em uma tenda de carne. Tabernáculo é uma tenda, onde um povo se reúne para adorar a Deus e da mesma forma, Jesus foi feito homem para Deus habitar nele em toda a plenitude, por isso ser esse o mês mais apropriado para o nascimento do Emanuel.

A Festa mais próxima desta época é a dos Tabernáculos, que também é conhecida como a Festa da Presença de Deus no meio do seu povo. Dai a razão profética para que no futuro, todos os povos venham a Israel celebrar a Festa dos Tabernáculos, pois este seria o aniversário terreno do Grande Rei Jesus.

E acontecerá que, todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o Senhor dos Exércitos, e para celebrarem a festa dos tabernáculos.Zacarias 14:16

Outro fato interessante que desmentiria o natal de dezembro é o fato de o inverno ser bem rigoroso nesta época na Judéia com temperaturas que podem chegar até abaixo de zero, chegando a nevar, impedindo assim a presença de pastores com seu gado no campo.

De Março/Abril que é o mês primeiro até Novembro/Dezembro, pode-se contar NOVE MESES que é o mês das grandes chuvas. E o inverno em Israel é a estação das chuvas e, eventualmente, da neve. Em Israel chove cerca de 2 ou 3 meses por ano, todos os anos e, normalmente o que chove é suficiente para abastecer o país de água pelo resto do ano. A primeira coisa a se notar é que apesar de Israel estar no hemisfério oposto do Sudeste brasileiro, o período de seca para todas as cidades é ao redor do mês de Julho. Em Israel a seca é durante o verão. No Sudeste brasileiro é durante o inverno. Três dos 12 meses em Israel registram uma média histórica de zero milímetros. De fato, do mês de Maio a Setembro, quase nada chove.

“Então, todos os homens de Judá e Benjamim, em três dias, se ajuntaram em Jerusalém; era o nono mês, no dia vinte do mês; e todo o povo se assentou na praça da Casa de Deus, tremendo por este negócio e por causa das grandes chuvas.” Esdras 10:9 

“Porém o povo é muito, e também é tempo de grandes chuvas, e não se pode estar aqui fora; nem é obra de um dia nem de dois, porque somos muitos os que transgredimos neste negócio.” Esdras 10:13 

O clima em Israel varia segundo as características de cada região: a costa, as montanhas, a depressão do Jordão. Fundamentalmente o ano se divide em duas estações: o verão, quente e seco, e o inverno, frio e úmido. A costa da Palestina é quente (de 10 a 15 graus no inverno e de 27 a 32 graus no verão). Nas montanhas, a temperatura é uns 5 graus mais baixa que na costa, com grandes diferenças entre o dia e a noite. No verão, nas montanhas (Jerusalém, por exemplo) as temperaturas são de 30 graus durante o dia e de 18 graus durante a noite. Nas montanhas, o mau tempo não se deve à umidade, como ocorre na costa, e sim, aos fortes ventos: o vento que arrasta as chuvas procede do Mediterrâneo, e o vento abrasador (siroco ou khamsin), vem do deserto nos meses de maio e outubro (Is 27.8; Jr 4.11). Jesus conhecia a ambos (Lc 12.54-55), e durante o inverno passava pelo único pórtico do templo que oferecia uma proteção (Jo 10.22-23). A depressão do Jordão, que está muito abaixo do nível do mar (Jericó, por exemplo), se vê submetida a um intenso calor durante o verão (uns 40 graus), mas no inverno possui uma estação muito agradável.

Também as chuvas variam na Palestina segundo a região, quanto mais próximas do Mediterrâneo, mais chuvas as terras recebem, pois as montanhas atuam como uma barreira que detém os ventos úmidos do mar e as faz descarregar sobre as ladeiras ocidentais. As ladeiras voltadas para o oriente, portanto, são mais secas. Berseba, no Negev, registra uma média de 143 mm. cúbicos de chuva por ano, Jerusalém alcança 583, mas quase toda esta quantidade de chuva cai entre dezembro e março. Ano promissor é aquele em que as chuvas precoces ou de outono começam a cair em outubro, no tempo da semeadura, e a chuva tardia ou de primavera, em março ou abril, pouco antes da colheita. São numerosas as alusões bíblicas a estes dois tipos de chuvas: Dt 11.14; Os 6.3; Jr 5.24; Jl 2.23. Há que se ter em conta que as chuvas não se concentram exatamente nos dois períodos mencionados, e sim, tendem a distribuir-se no período intermediário. Os meses de verão, de junho a setembro, costumam ser extremamente secos, exceção feita a uma ou outra tormenta na costa. As chuvas não possuem nada de extraordinário para os ocidentais, mas para os israelitas recém-chegados do Egito ela devia causar uma grande impressão, pois lá as águas vêm do Nilo, e não do céu (Dt 11.10-25).

A neve não é desconhecida nas montanhas da Palestina, por exemplo, em Belém, Jerusalém ou Hebrom Na Transjordânia, as nevascas às vezes chegam a bloquear as estradas.

O caráter sazonal (característica de um evento que ocorre sempre em uma determinada época do ano) das chuvas significa que é preciso guardar água em cisternas (Gn 37.22; Pv 5.15; Jr 38.6), com vistas à estação seca, a menos que uma cidade seja tão afortunada que conte com um manancial nas imediações, como a fonte Gihon em Jerusalém, para dispor de “água viva” (Ez 47.1; Zc 13.1; Jo 4.10-14). Um acidente característico da Palestina é o wadi, leitos temporários de água, secos no verão, e que transportam torrentes de água durante as chuvas de inverno. Quando estão secos, estes wadis servem de caminhos para subir dos vales para as montanhas. São muito escassos os vales que contam com um curso permanente de água. 

Cada turma começava a cada quinzena, começando em Abib (Março/Abril), sendo cada mês duas turmas até a turma de Abias, que era a oitava, ou seja, o quarto mês da última quinzena (Junho). Após Zacarias terminar seu tempo no Sacerdócio, voltou pra casa e conheceu sua mulher que engravidou, passando a contar a partir do quinto mês o primeiro mês da gravidez.

Como Isabel engravidou no quinto Mês (Agosto). Contando mais seis meses de gravidez, o Anjo visitou Maria que logo engravidou (Janeiro). Do mês seguinte (Fevereiro) conta-se um mês até o nono Mês então se chega ao mês de Outubro.

Tempo do sacerdócio de Zacarias

Janeiro
Fevereiro
ÁRIES
Março
PRIMEIRO MÊS
1ª e 2ª TURMA
TOURO
Abril
SEGUNDO
3ª e 4ª Turma
GÊMEOS
Maio
TERCEIRO
5ª e 6ª  turma
CÂNCER
Junho
QUARTO
7ª e 8ª turma

E Zacarias, vendo-o, turbou-se, e caiu temor sobre ele.

Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João. Lucas 1: 12-13


GRAVIDEZ DE ISABEL

. E sucedeu que, terminados os dias de seu ministério, voltou para sua casa.

E, depois daqueles dias, Isabel, sua mulher, concebeu, e por cinco meses se ocultou, dizendo:

Assim me fez o Senhor, nos dias em que atentou em mim, para destruir o meu opróbrio entre os homens.

E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré,

A uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.

E entrou em casa de Zacarias, e saudou a Isabel. Lucas 1:23-40
LEÃO
Julho
1º mês
VIRGEM
Agosto
2º mês
LIBRA
Setembro
3 Mês
ESCORPIÃO
Outubro
4 mês
SAGITÁRIO
Novembro
5 mês
CAPRICÓRNIO
Dezembro
6 mês
Maria fica grávida
Lucas 1.26
AQUÁRIO
Janeiro
7 mês
PEIXES
Fevereiro
8º mês
ÁRIES
Março
9º mês
Nascimento de João Batista

João Batista nasceu na época da Pascoa, por isso foi questionado se era o Cristo ou Elias (Lucas 3.15) mas, ele era apenas o enviado ou o precursor do Messias.  "Mas João, quando completava a carreira, disse: Quem pensais vós que eu sou? Eu não sou o Cristo; mas eis que após mim vem aquele a quem não sou digno de desatar as alparcas dos pés." Atos 13:25

GRAVIDEZ DE MARIA

26 E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré,
27 A uma virgem desposada com um homem, cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.
28 E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.
29 E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras, e considerava que saudação seria esta.
30 Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus.
31 E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.
32 Este será grande, e será chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai;
33 E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim.
34 E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?
35 E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.
36 E eis que também Isabel, tua prima, concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril;

Lucas 1.26-35

AQUÁRIO
Janeiro
PRIMEIRO MÊS
PEIXES
FEVEREIRO
2º MÊS
ÁRIES
MARÇO
3º MÊS
TOURO
ABRIL
4º MÊS
GÊMEOS
MAIO
5º MÊS
CÂNCER
JUNHO
6º MÊS
LEÃO
(22/07 a 22/08)
JULHO
7º MÊS
VIRGEM
(23/08 a 22/09)
AGOSTO
8º MÊS
LIBRA
(23/09 a 22/10)
SETEMBRO
9º MÊS
Nascimento de Jesus Cristo
ESCORPIÃO
Outubro
SAGITÁRIO
Novembro
CAPRICÓRNIO
Dezembro

 Portanto, o nascimento de Jesus fica entre o mês de Setembro para Outubro, ou no zodíaco: Entre a Virgem ou Libra. Ambos os signos possuem relevâncias em relação ao nascimento de Jesus, pois se for em Virgem – se refere a Maria, onde o profeta disse que uma virgem conceberia. Se for no signo de Libra – trata-se da Balança da Justiça, onde todos são pesados.

Nos seus dias Judá será salvo, e Israel habitará seguro; e este será o seu nome, com o qual Deus o chamará: O SENHOR JUSTIÇA NOSSA.” Jeremias 23.6

O Mês Mais Provável

1.  OS PASTORES: Lucas 2.8 menciona que pastores estavam nos campos cuidando de suas ovelhas. Em dezembro, porém, os rebanhos já teriam sido recolhidos a seus abrigos, por causa do frio. Há um comentário no Talmude, afirmando que os rebanhos eram colocados ao ar livre no mês de março e recolhidos em Outubro/Novembro. Esta passagem, portanto, limita o nascimento de Jesus ao período entre o final da primavera e o início do outono (hemisfério norte).

2.  A ORDEM SACERDOTAL DE ABIAS: Lucas 1.5 nos ensina que Zacarias, pai de João Batista era um membro da ordem sacerdotal de Abias. O livro de Crônicas nos informa que havia uma escala para os serviços dos sacerdotes e sobre o seu funcionamento. Em Deuteronômio 16.16 verifica-se também que haviam serviços a serem cumpridos pelos sacerdotes, por ocasião das grandes festas. Com base nessas informações, pode-se concluir que Zacarias permaneceu em serviço até ao final da 10ª semana do ano judaico, tendo servido seu período após a festa de Pentecostes.

3.  A CONCEPÇÃO DE JOÃO BATISTA: Lucas 1.23-24, registra que Zacarias retornou a casa logo após o serviço e que João Batista foi concebido um pouco depois, provavelmente na última metade do mês de Sivan (Maio/Junho).

4.  A CONCEPÇÃO DE JESUS: Lucas 1.26-27 e Lucas 1.36, nos informam que Maria ficou grávida de Jesus no sexto mês da gravidez de Izabel (mãe de João Batista), no final do mês de Kislev (Novembro/Dezembro), que coincide com a Festa das Luzes, ou Hanukkah. Seria uma coincidência que Jesus, a Luz do Mundo, tenha sido concebido por ocasião da Festa das Luzes ?

5.  O NASCIMENTO DE JOÃO BATISTA: Contando-se 280 dias, que é a duração usual da gestação humana, a partir do terceiro sábado de Sivan, chegamos ao nascimento de João Batista, que nasce então no mês de Nisan durante os festejos da páscoa (Êxodo 12.1-14). É importante notar que os Judeus esperam o retorno de ELIAS por ocasião da páscoa, e até costumam deixar uma cadeira vazia a mesa para receber Elias, conforme a profecia em Malaquias 4.5. Jesus nos disse que João Batista era o Elias esperado, e Elias (João Batista) nasceu na data que todos esperavam – a páscoa (Mateus 17.10-14). Mais outra feliz coincidência.

6.  O NASCIMENTO DE JESUS: Acrescentando-se seis meses ao nascimento de João Batista, ou 280 dias a partir da concepção de Jesus, chegamos ao seu nascimento, na segunda metade do mês de Tishri (Agosto/Setembro). Esta é a época da festa dos Tabernáculos (Levítico 23.34).

7.  EMANUEL: Em Isaías 7.14 lemos que “... a virgem (jovem mulher solteira) conceberá, e dará à luz um filho que será chamado Emanuel.” Esta profecia se refere provavelmente à mulher que Isaías tomaria como segunda esposa, mas tipifica, como é usual nas profecias, a concepção milagrosa de Maria. Emanuel significa “Deus conosco” e a palavra “tabernáculo” significa habitar. Isso significa que o Espírito Santo de Deus viria fazer morada, não mais em um templo feito por mãos de homens, mas em um corpo gerado exclusivamente para Deus habitar em toda a sua plenitude.

“Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” Colossenses 2.9

O ano mais provável

1.  O REINADO DE HERODES: Em Mateus 2.1 verificamos que Jesus nasceu durante o reinado de Herodes o Grande; como Herodes morreu em 4 a.C, Jesus então deve ter nascido antes deste ano (4 a.C).

2.  A MATANÇA DAS CRIANÇAS: Em Mateus 2.13-16 descreve-se a fuga para o Egito e a matança de todas as crianças de Belém com menos de dois anos; Herodes havia consultado os magos (Mateus 2.7) dois anos antes; podemos concluir que Jesus deve ter nascido não depois de 6 a.C.

3.  O CENSO DE CÉSAR AUGUSTO: Em Lucas 2.1 registra-se que a ida de José e Maria a Belém aconteceu durante este censo que pode ter ocorrido entre 8 a.C e 6 d.C, de acordo com algumas evidências históricas.

 

Um comentário:

Manuel Portugal Pires disse...

https://www.facebook.com/MPP333/posts/1312837788755718