23 de março de 2014

Características de uma igreja verdadeira

Em meio ao caos que reina no sistema político e religioso, a degradação humana tem demonstrado o quanto as igrejas estão distantes da realidade bíblica. Das igrejas, naturalmente se espera a introdução de uma ordem sistemática que conduza seu povo a uma compostura devocional excelente, refletindo na sociedade como uma referência sólida a ser copiada. Infelizmente, ao invés das igrejas influenciarem o mundo, estão na verdade, sendo influenciadas e nessa decadência moral, se tornam piores que os que nada conhecem.
 
Nossa fé deve ser baseada exclusivamente nas Escrituras Sagradas, onde a Bíblia dita as regras de compostura e austeridade, sendo que a compatibilidade dos valores ensinados a luz do nosso dia deve ser absolutamente compreensível e aberta para os devotos de Cristo. O modelo de fé de pessoas que viveram o evangelho é um exemplo a ser seguido, como o profeta William Marrion Branham e outros. Pregamos o amor fraternal e as coisas concernentes ao reino de Deus, mas na prática, o que se vê no meio religioso é o oposto do que pregam. Ao invés de serem praticantes do bem, buscando um melhor e maior crescimento do Evangelho com ortodoxia e equidade, fazem o contrário, ou seja, pregam o oposto do que vivem ou que acreditam.
 
Nunca, em nenhum tempo, houve uma igreja voltada para o bem-estar social, a não ser a igreja primitiva que se iniciou com os apóstolos. Os discípulos de Jesus tiveram uma certa dificuldade em compreender o Reino de Deus, até que houve a descida do Espírito Santo sobre eles e desde então começaram a pregar o Evangelho revestidos de poder. Preocupados com a salvação comum, engajaram numa cruzada de fé contra a apostasia e as heresias, dando a própria vida por amor do Evangelho. Nunca esqueceram das necessidades espirituais e mais precisamente dos desamparados fisicamente, que tiveram suas dificuldades supridas conforme capacidade de igreja vigente.
 
Para ser mais preciso, a igreja cristã em nossos dias carece de uma visão sistemática acerca da sua realidade, onde o debate demagogo de grupos faccionados obscurecem o verdadeiro sentido de existência da igreja cristã. Nosso papel como devotos de Cristo não é buscar nossa própria salvação, mas levar outros a conhecerem a Mensagem do seu dia, produzindo os frutos verdadeiros que realmente possam iluminar o mundo com a fé que professam. Mesmo com inúmeras igrejas em uma cidade, podendo se ver em cada esquina diversas até mesmo com a mesma placa, faccionadas, a decadência da moral da sociedade está chegando a níveis alarmantes, por não terem um evangelho sólido que converte pecadores. Tudo que se vê é placas de igrejas ambiciosas e mesquinhas, cheias de pessoas arrogantes e hipócritas que acreditam serem participantes da salvação por frequentarem essas denominações frias e formais.
 
Estamos percebendo claramente a decadência da humanidade, com todo tipo de torpeza e desvarios típicos de pessoas perdidas e ainda que haja milhares de igrejas pregando o Evangelho, quase nenhuma delas está fazendo a diferença em relação ao seu verdadeiro papel de proteção e ensino bíblico. Quando se fala de doutrina, cada igreja tem a sua em particular, mas quando se fala de dinheiro, todas buscam os mesmo interesses. Todas essas estão marcadas pela marca da besta - a mentira - e por isso enganam de todos os meios os leigos religiosos sem revelação.
 
Para fazermos a diferença, temos que partir do princípio apostólico, onde os cargos em si nada significam, que titularidade é apenas uma mera formalidade. Devemos colocar cada ofício em seu lugar apenas para que a ordem seja estabelecida, não como forma de dominação de pessoa sobre pessoa, mas de forma que os crentes sejam unânimes e vivam seu verdadeiro ministério com fé até a vinda de Cristo. Hoje é comum se levantar uma pessoa com o título de pastor, apóstolo ou bispo e se julgar uma pessoa importante, mas que no fundo, não passa de um ladrão e salteador, um hipócrita que prega um evangelho terceirizado enquanto enriquece da boa-fé de muitos. Ainda existem verdadeiros pastores e profetas, apóstolos.. que quase nem sempre são reconhecidos publicamente, pois estes procuram dar toda honra e glória ao Senhor Jesus.

Pastor é apenas um cargo congregacional, com tempo de duração estabelecido, que pode ou deve ser ocupado por um substituto a seu tempo, pois esse cargo pertence a igreja e não a pessoa em si. Os falsos profetas querem ser reconhecidos dentro e fora de igreja como tal e para isso não medem esforços em buscar idólatras que o apoiem. Um apóstolo é um missionário, responsável em estabelecer igrejas em cidades distintas e uma pessoa só leva este título se estiver fazendo tal trabalho, assim como bispo é uma pessoa encarregada em administrar uma determinada jurisdição. Deixando o cargo, é uma pessoa comum como qualquer outra e não deve ser idolatrada. Um profeta é uma pessoa que profetiza, mas não tendo profecia é apenas uma pessoa comum, pois Deus usa quem quer, dar o dom que quiser e só Deus é profeta, pastor, apóstolo, bispo, sacerdote, etc.. o que tenta tomar esses títulos que só a  Deus pertence é um diabo, um falso portador da luz.
 
Hoje se pode ver que já não resta mais esperança nesse mundo, já que a violência e a imoralidade reina absoluta nos lares e nas esferas governamentais. Nenhum esforço alivia a tensão de insegurança e impotência da sociedade. Para a igreja cristã, nada é feito em seu favor para melhorar o quadro, nem mesmo para seus próprios membros que professam a fé no ambiente religioso que frequenta.
 
Como percebemos que nenhuma instituição religiosa busca o aprimoramento da igreja cristã, então propomos uma Reforma religiosa, onde os membros das igrejas em particular aprendam seus verdadeiros direitos e deveres, que participem de trabalhos voltados para seu bem estar comum. Podemos falar de diversos dogmas e questões teológicas infindáveis, mas se não tivermos um conceito apropriado acerca do que devemos fazer - nada seremos. Para isso propomos uma renovação do pacto com Deus através da nova aliança, em que Jesus Cristo seja o foco principal da nossa pregação e que nossas obras sejam compatíveis com o Reino de Deus.
 
Precisamos de igrejas que se preocupam com as suas crianças, dando-lhes abrigo e condições de terem um aprendizado correto, fora dos assédios humanos pervertidos, encontrados nas escolas atuais. No Brasil, a decadência moral começa nas escolas e creches, onde os filhos dos crentes sofrem diversos tipos de assédios, só por defenderem suas fé e a igreja fecha os olhos para os protegerem. Se na escola pública ou particular, nada é feito para mudar o quadro, o certo é promover um êxodo para escolas criadas pela própria igreja em questão, que recebe dízimos e ofertas que podem ser tirada uma parte para financiar esse projeto ousado. Igreja é um redil para seus membros afiliados, não um lugar para um falso cristo exibir palestras manufaturadas ou recitações. Pregar numa igreja, qualquer um pode fazê-lo, ainda que não saiba ler, mas fazer a diferença, isso é para poucos. Nossa pregação deve ser palpável, espiritual, que promova o bem estar dos cristãos, pois para isso existe os dízimos e ofertas.

Quantos hipócritas acreditam estar dando seu dinheiro para Deus, enquanto que seus irmãos estão fisicamente debilitados, com fome, desamparados, outros são deficientes, outros idosos ou órfãos e viúvas que são abandonados por suas igrejas, após anos de contribuição? A pessoa não tem que pagar pra uma igreja, mas quando contribui deve fazer com amor, promovendo o bem-estar dos seus irmãos.
 
Devemos ter coragem para promover esse êxodo, chamando a responsabilidade para a igreja que recebe financiamento dos seus membros, sem cobrar pelos serviços prestados aos membros arrolados. Da mesma forma, faz-se imperativo que se construa asilos, orfanatos, albergues e institutos para acolher os crentes da fé, podendo ser estendido até mesmo aos estrangeiros, mas com prioridade para os que congregam e professam a fé segundo o Evangelho pregado.
 
Deus tirou seus filhos do Egito, por não suportar a mistura de dogmas e credos promovido pelos ímpios e da mesma forma, chama o crente em nossos dias para uma restauração da sua igreja noiva, dando uma última oportunidade para os remanescentes acordarem. Esse é sem dúvida, a última chamada, o clamor da meia-noite, onde a voz de Deus chama os seus eleitos para um último êxodo.
 
Não se conforme com uma instituição religiosa que alega pregar o evangelho, mas que no fundo é governada por déspotas, que pregam o abstrato mas enriquecem com o natural, roubando o dinheiro da igreja para promover suas ambições. Muitos crentes nem sabem que suas igrejas apenas existem para captar dinheiro de doações e esse dinheiro é transferido para outros grupos até chegar em um único interessado. Essa hierarquia papal, dos imperadores transvestidos de pastores e bispos, são enganos dos que se perdem. Fazer parte de uma igreja corrupta é tão abominável quanto estar no mundo no meio das bebedeiras e danças insanas. Muitos crentes vivem de aparência, como os fariseus, sustentando igrejas que nada fazem pelos seus membros, e ainda acreditam serem participantes da salvação. Mero engano, já que o Evangelho de Jesus Cristo não é para salvação própria, mas de outro. Se não fazemos nada para o reino de Deus, como podemos alegar ser participantes deste?
 
As porções do que trabalham na obra de Deus é um prêmio de justiça, mas infelizmente, muitos são induzidos ao trabalho religioso gratuitamente enquanto outros enriquecem às custas da fé alheia. Não seja participante de tais coisas. Sai já dessa babilônia religiosa que  engana com dogmas e credos, mas que nada produz para o Reino de Deus. Se o pastor recebe um salário, os diáconos, cantores e missionários também tem direito. Se só o pastor recebe, é por ser um déspota arrogante, que se acha o portador da luz, um lúcifer, com aparência de cordeiro. Nenhum homem na face da Terra é digno de ser achado ser alguma coisa, muito menos os pastores atuais, que pregam um Evangelho já produzido pelos apóstolos, fazem recitações de outros homens de Deus e vendem para os crentes.
 
Saiba que essa Mensagem veio para denunciar o diabo com suas obras e preparar a noiva de Cristo para o arrebatamento. Quem está sendo conivente com o roubo, a simonia, as heresias, com a hipocrisia religiosa e outras obras das trevas, nunca conhecerá a Deus nem mesmo verá o Reino de Deus. O novo nascimento implica uma verdadeira devoção da verdade, onde só os eleitos de Deus conhecem. Ainda que existam milhares de igrejas, com inúmeros dogmas e credos, nenhumas delas está realmente preocupada com o caráter da igreja cristã. Mesmo as remanescentes da Mensagem do profeta William Branham fazem o que diz o profeta. Nem mesmo creem no que ele pregou, já que a maioria vive apenas de recitações superficiais que envolve credos e dogmas que desviam a atenção dos seus membros para o verdadeiro papel da sua igreja.
 
Chega de falsidades e hipocrisia no meio religioso. É hora dos crentes verdadeiros se manifestarem, apresentando suas mãos para o serviço, trazendo a igreja a uma renovação, excluindo os líderes hipócritas e ladrões, estabelecendo normas de proteção da moral e da ética religiosa, tendo como base os crentes devotos que participam efetivamente dos cultos. Se você realmente crê em Jesus Cristo como seu Deus, então está na hora de sair do comodismo e se preparar para a batalha final contra as hostes satânicas que invadiram os lugares celestiais.
 
Lembre-se - homem nenhum faz a obra de Deus, mas é Deus quem faz a obra através de homens. Se algum homem se levantar dizendo ser alguma coisa, saiba que é um falso cristo e se outro se levantar com pretexto de humildade mas nega as Escrituras, também é falso, ainda que aparenta uma suposta santidade. Você não pode fazer nada para salvar a si mesmo, mas pode dar a sua vida por amor ao Evangelho para ser salvo, se for um escolhido.

De que lado da cruz você gostaria de estar? Dos condenados que criticam ou dos que reconhecem ser pecadores e se arrependem? Veja que todos são pecadores e todos estavam condenados, mas um mesmo diante da morte reconheceu Jesus como seu Senhor, enquanto que o outro escolheu seguir a opinião dos religiosos apostatados e da multidão egoísta e interesseira. Muitos crentes gostam de sustentar uma igreja que apenas arrecada dinheiro para seus líderes déspotas, enquanto outros entendem que o objetivo da igreja é servir a de Deus sem falsidade. Quer fazer parte de um grupo de religiosos que zombam e enganam crentes ou fazer parte dos que deixam Deus  fazer a obra buscando por meio dos seus atuais discípulos que buscam o aprimoramento do Reino de Deus.
 
Enquanto uns sonegam por avareza para não contribuir voluntariamente, outros sustentam mercenários que enganam multidões com discursos fabricados.  O que você deve fazer com o seu dinheiro ou oferta que vai ser doado a uma igreja? Entregar para um mercenário se tornar mais rico, ou vai buscar meios de unir irmãos devotos que procuram distribuir para a causa de forma correta como estabelece a Bíblia? Você pode não está enganando ninguém diretamente, mas quando patrocina com seus dízimos e ofertas uma organização ou quadrilha de ladrões, também é participante e será julgado da mesma forma. Os coniventes também responderão pelo pecado dos seus líderes, pois está escrito que não só os que fazem, mas também os que consentem são dignos de morte.

Nenhum comentário: